04 novembro, 2010

31 de outubro


 Domingo, dia 31, não foi apenas o dia das eleições pra decidir o novo presidente do Brasil, nem apenas também o ultimo dia do mês, indicando mais a chegada do fim do ano. Domingo foi um dia especial, de comemoração, de agradecimento na minha família, pois justamente nesse dia, há um ano atrás, minha Irmã foi acidentada a caminho da banca de revistas no centro da cidade.


Ela tinha ficado noiva há poucos dias antes do acidente, tendo que adiar o casamento, que ficou pra abril desse ano. Ela tava indo comprar uma revista de noivas quando foi batida... era na hora do almoço e meus pais foram pro hospital e só voltaram com uma Ana de perna enfaixada e toda ralada, com ferimentos dolorosos de se ver pelo braço e nas pernas, principalmente na quebrada (por isso demorou poder engessar. Tinha que sarar tudo primeiro).

Os quase seis meses sem poder trabalhar, ir à igreja, andar, fazer as coisas por si própria... principalmente mexer com os preparativos do casamento... acho que foram os mais torturantes da vida dela. Talvez da nossa também por acompanhar esse sofrimento.

Foi um período difícil, porem de muito aprendizado para todos nós, não só a família, mas, também as pessoas mais próximas. Ana conseguiu comover Rondonópolis inteiro com seu acidente. Zoavamos dela por todo mundo conhecê-la, mas, devo acrescentar que isso é uma contribuição do fato de minha mãe ser a dirigente geral do Circulo de Oraçao¹. Era tanta gente que aprecia aqui para visitá-la que impressionava.

Todo mundo sempre repetia a mesma pergunta: “Por que a Ana? Justo agora que ia casar?...” Todos indignados querendo saber o porquê disso tudo. Bem na época do casamento, a casa quase pronta, mínimos detalhes apenas para ser acertado... da igreja, do clube, disso e daquilo...

Teve dias de eu achar que a Ana iria dar um trem. Era um desgaste emocional da pega pra ela. Havia momentos que nem mais a irmã-queridinha-sempre-feliz que sempre levanta o astral de todo mundo (euzinha aqui ) sabia o que fazer!

Mas, Deus estava trabalhando no que era preciso. Ele ensinou a cada um de nós uma coisa diferente,porém na mesma luta. A lição que me marcou realmente é a de que DEVEMOS estar sempre preparados para tudo o que der e vier na nossa vida, para saber como agir e reagir e não ficar na beira da estrada chupando dedos imaginando o que fazer... Isso foi uma lição exclusiva para mim. Tudo havia mudado. A Ana tinha que ficar só deitada ou sentada. Era um sofrimento cuidar dela.

Enfim, ela já se casou em abril, dia dezessete, quase um mês após tirar o gesso, mancando ainda e sem poder usar salto (até hoje!). Isso foi um marco nas nossas vidas, principalmente na dela. Foi maravilhoso contemplar as misericordiosas mãos do Senhor cuidando de tudo. Cada pequeno detalhe. O casamento saiu uma perfeição (olha eu babando) e hoje é ó bênçãos pra contar e glorificar a Deus.

__________
¹ vou fazer tentar um post sobre isso!

2 comentários:

Felipe Fagundes disse...

A gente sempre assusta com essas "peças" que a vida prega na gente, muitas das vezes até achamos injusto aquilo estar acontecendo. Eu sempre resmungava disso até entender através da Bíblia que essas eventualidades, digamos assim, fazem parte do Plano de Deus. Ele tem todo o poder para mudar nossa situação e nos ensinar lições através das mais variadas formas.
Que bom que sua irmã foi perseverante e realizou um sonho! ^^

Aline M. Gomes disse...

Pois é! A vida não é feita só de coisas boas, que pena que muitos crentes tem esquecido desse pequeno detalhe que faz toda diferença.
Como diria meu amigo Jó: "Recebi o bem de Deus e não o mal?"